Não falamos sobre sinais de rádio produzidos por supostas civilizações inteligentes, referimo-nos às FRBs (Fast Radio Burst), explosões de sinais de rádios cuja origem reside no exterior da Via Láctea.

Uma equipe de pesquisadores conduzida por Vikram Ravi, do Caltech, e por Ryan Shannon, da Universidade Curtin, observaram o que é, até agora, a mais intensa explosão de onda de rádio, denominada FRB 150807.

car

Aglomerado galático http://cs.astronomy.com

Ainda é cedo para determinar o fenômeno que cria estas explosões, mas a descoberta abre caminho para compreender melhor a chamada “rede cósmica”, uma espécie de teia que une as milhares de galáxias através do cosmo. A descoberta foi publicada na revista Science de novembro deste ano.

Ao passar pelo espaço, uma FRB sofre distorções, como ocorre ao observarmos estrelas daqui do nosso planeta – sua luz sofre distorções devido à atmosfera do planeta. Além disso, através da observação destas explosões, os astrônomos aprendem mais detalhes acerca das regiões do universo pelas quais o FRB viaja, até chegar à Terra.

Até hoje, os cientistas conseguiram observar somente 18 destas explosões. Muitas delas não se repetiram e resultaram em apenas um único sinal emitido. Além disso, muitas destas observações foram realizadas por telescópios com grande capacidade de varredura dos céus, mas baixa resolução, o que prejudica a determinação precisa do local de origem destas emissões. Com o sinal 150807, os cientistas tiveram melhor mais sorte, dada a ocorrência do forte brilho daquela emissão.

A novidade é que, a partir de fevereiro de 2017, a localização das FRBs será muito mais simples, com o protótipo do “Deep Synoptic Array”, um grande radiotelescópio composto por 10 grandes antenas, localizado em um observatório do Caltech, na Califórnia.

“Estimamos haver de 2000 a 10000 ocorrências de FRBs nos céus, todos os dias”, afirma Ravi. “Uma em cada dez é tão brilhante quanto a 150807 e o novo telescópio será capaz de localizar as galáxias de origem destas emissões. Se conseguirmos medir a distância até estas galáxias, seremos capazes de usar as FRBs para pesar o material intergalático”, completa.

ScienceDaily

 

 


Plenus

Apaixonado por ciências, música, línguas e teologia, adora adentrar nos mistérios da Rainha das Ciências, "linguagem pela qual Deus descreve o universo", diria Galileu Galilei.