Múons são mais abundantes que o esperado

Um verdadeiro bombardeio de Múons, primos mais pesados dos elétrons, acontece sobre a atmosfera terrestre, em um número muito maior que o esperado pelos físicos. Esta diferença pode corresponder a uma lacuna na compreensão teórica das interações físicas, ou algo inesperado pode estar ocorrendo.

Ao colidirem ,sob energias de altíssima ordem, com a atmosfera terrestre, os raios cósmicos produzem rios de outras partículas, incluindo os Múons. Novas observações realizadas no Observatório Pierre Auger, detectaram 30% mais múons que as simulações previam.

PIERRE AUGER OBSERVATORY/FLICKR (CC BY-SA 2.0)

PIERRE AUGER OBSERVATORY/FLICKR (CC BY-SA 2.0)

O observatório Auger, na Argentina, utiliza telescópios para observarem partículas fracas de luz na atmosfera, e detectar partículas que alcançam o solo, através de tanques de água. Por meio da comparação entre chuva de partículas simuladas e dados observados na natureza, os cientistas concluíram que o número previsto dos múons não corresponde à realidade.

Analisadas, as partículas de alta energia dos raios cósmicos atingiram níveis de energia 10 vezes maiores que partículas lançadas nos mais poderosos aceleradores terrestres. Spencer Klein, do Laboratório Nacional Lawrence Berkley, nos Estados Unidos, afirma que ainda é prematuro apontar algo realmente excitante, do ponto de vista científico, que venha desta descoberta. O pesquisador sugere que a diferença nos resultados pode ser resultado da incompletude da teoria física, no que diz respeito ao comportamento de prótons e nêutrons quando os núcleos colidem. A complexidade deste comportamento poderia resultar em partículas que decairiam, eventualmente, em mais múons do que o esperado.

Por outro lado, o físico atuante no observatório Auger, Glennys Farrar, da universidade de Nova Iorque, explica que os físicos tem tido insucesso na tentativa de explicar a ocorrência de múons excedentes, com uso da física padrão. “Este é o principal motivo pelo qual devemos acreditar existir uma nova física”, afirma o pesquisador.

ScienceNews

A. Aab et al (Pierre Auger Collaboration). Testing hadronic interactions at ultrahigh energies with air showers measured by the Pierre Auger Observatory. Physical Review Letters. Vol. 117, October 31, 2016, p. 192001. doi: 10.1103/PhysRevLett.117.192001.